Deus – um delírio, de Richard Dawkins

Gente, eu sou bióloga. Tenho mestrado e faço doutorado. Não estou dizendo nada disso para me gabar, mas dar o atestado do meu alto teor de nerdisse. Pois é.  Sou uma nerd mesmo. Mas devo esclarecer, que os nerds da biologia têm (nunca sei se uso ou não esse acento com esse novo acordo ortográfico, acho que ele foi banido dos plurais com “e”, mas não consigo deixar de usá-lo… ) algumas peculiaridades. O Nerd padrão, ou “tipo”, é o das áreas de de computação, física e engenharia. São nerds caracterizados pela elevadíssima inteligência e o baixo Q.I. social, digamos assim (de forma bem tosca e resumida). Os nerds da biologia até que se saem bem nos quesitos sociais, porém, têm a incrivel capacidade de se empolgar com coisas como “minha cultura de células está simplesmente maravilhosa essa semana!”, ou “consegui ver aquele bicho raríssimo ameaçado de extinção pertinho de mim – em ambiente natural – e vivo!!!”, ou ainda de se emocionar quando um amigo de um amigo seu foi para a Inglaterra e diz que viu uma palestra sensacional com aquele ganhador do prêmio Nobel… Enfim, é um nerd voltado para as ciências da vida. Para mim, o que mais fortemente caracteriza um nerd biólogo é sua devoção à Teoria da Evolução e a Darwin (pobre Wallace, que não recebe seus méritos!).

Richard Dawkins é com certeza um nerd biólogo. Ele é professor-pesquisador-escritor (o equivalente no mundo acadêmico de modelo-atriz-cantora, mas neste caso, geralmente as pessoas têm as competências que dizem ter), e é autor de “O Gene Egoísta”, um dos livros clássicos da biologia (que está na minha lista, mas que ainda não li).  Até o momento não tinha lido ainda nada do Dawkins, mas já tinha um pré-conceito contra ele – sempre achei suas posições muito extremas. Resolvi tirar a prova para ver se meu pré-conceito seria banido ou viraria um conceito, e comecei a ler “Deus – um delírio”, que um amigo (de laboratório, lógico) me emprestou.

Estou mais ou menos na metade do livro, e confesso que o cara “tem as manha” de defender seu ponto de vista sobre a inexistência de deus. Por outro lado, achei ele muito inocente… Poxa, o cara quer convencer a todo mundo que deus não existe, baseando-se principalmente em premissas evolutivas e no pensamento científico… Se a galera não tem nem a oportunidade de estudar a evolução de modo a realmente entender o que ela é, e nem tem muita clareza do “modus operandi” da ciência, como ele vai conseguir convencer alguém?!? Muito difícil isso acontecer, ainda mais quando as pessoas religiosas não estão com o menor interesse de serem convencidas do contrário daquilo que elas acreditam e pregam.

Eu, pessoalmente, ainda não tenho essa questão de deus definida. Fui criada como católica (batizado, primeira comunhão, crisma…), contudo, à medida que fui conhecendo mais sobre as atrocidades provocadas pelas religiões, e que tive mais embasamento sobre como o mundo vivo funciona, ficou difícil não questionar se haveria mesmo um espaço para deus nisso tudo. A tendência é que eu acredite cada vez mais que deus seja realmente um delírio, como diz Dawkins. Vamos ver se ele me converte ao ateísmo no final (se ele lê uma coisa dessas, acho que ele tem um troço!).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s