Desventuras de um antissocial (5): Amigos?

Que sou um chato antissocial, não é novidade pra ninguém. Não escondo. Quer dizer, mais ou menos. Porque há pessoas que simplesmente não conseguem compreender que odeio gente. E porque, infelizmente, há momentos em que precisamos de gente. Triste e verdadeira constatação…

Tenho alguns amigos. São poucos. Acho que nunca tive aquele amigaço com quem se pode contar pra tudo: isso implicaria em ele também contar comigo pra tudo, e nunca estive disposto a doação tão completa (e muitas vezes a pessoa passa a acreditar que tem direitos sobre a sua vida, algo que eu não suportaria). Até certo ponto, amigo é uma coisa boa. Sentar e falar bobagem, rir e se distrair. Tomar uma cerveja. Gosto da amizade sem ônus e sem cobranças, leve e livre.  O problema é que amigos são pessoas, e pessoas não sabem ser tão simples: adoram complicar. Se você some, ele te cobra – mas quando é ele quem some, você tem que entender e achar que está tudo certo, afinal ele é muito ocupado (o que implica em você ser muito à toa, compreende?).

Contudo, apesar das dificuldades, uma amizade de dois, quando não é aquela coisa apegada e doentia (estilo escola primária, “fazemos tudo juntos, tudo igual, lalalá”), é até tranquila de se levar. A maior dificuldade é quando há um grupo ou círculo de amigos. Porque aí, cria-se um cenário propício a tramas de novela das oito. E é uma trama oculta, uma batalha velada – mas que todo mundo percebe e apenas não fala abertamente em frente ao grupo (mas pode saber que a fofoquinha rola solta quando algum membro está ausente – aquele que será o alvo da fofoca, obviamente). Cria-se uma guerra de egos, pois sempre tem uns e outros que desejam a qualquer custo (ainda que subjetivamente) ocupar determinados nichos dentro do grupo. Ser o mais engraçado, ou o mais bem sucedido, ou o querido por todos. Se você sentar e observar de longe, fica bem parecido com aqueles documentários em que eles inventam nomes de gente para os bichos e narram historinhas. O tempo todo tem alguém tentando se afirmar de alguma forma. Preguiça…

Eu tenho alguns amigos. E até tento manter as amizades. Mas confesso que às vezes, dá vontade de largar todos, e ficar sozinho mesmo. All by myself. Porque gente é um negócio difícil.

7 pensamentos sobre “Desventuras de um antissocial (5): Amigos?

  1. Eu sumo por preguiça também, mas nem cobro…
    Quem é meu personagem na novela das 9, abóbora?
    Quem somos na família zuricatos?
    Por que escreve em outro gênero?

  2. Eu também sumo por preguiça, mas nem cobro nada…! ou sim?
    Qual o meu personagem na novela das 9, abóbora?
    Quem somos na família dos zuricatos?
    Por que escreve em outro gênero?

    • Ah, eu sei muito bem que você compartilha de minha preguiça, Isabelita! Até que essa parte de cobrar, acho que todo mundo passa na prova por não fazê-lo – você, com mérito! Você é a que chega revelando todos o podres e fazendo as máscaras caírem! : ) Doa a quem doer! E eu, quem sou?

      • Bom, vou entender isso como um elogio, certo?! 🙂
        Afinal de contas, é sempre importante uma devassa, mesmo que esporádica…
        Mas espero ser algo suave também…

        Você? A praticidade em pessoa, com um ar meio ranzinza. A que consegue se fazer ainda mais antissocial! E nem é pela ausência, porque é muito mais presente que Isabelita, por exemplo! Me divido com seu jeito mexilhão: ora fechada, será timidez, ou só preguiça crônica, ou um jeito blasé de ser?
        Freud explica?
        Talvez seja quanto a mim… Você me arrumando mais problemas?
        É assim… Só os vegetais são felizes mesmo…

      • Ah, pode levar como elogio sim! A gente sempre precisa de alguém pra nos mostrar a verdade e dizer que o rei está nu! Só assim pra fazer as coisas melhorarem! : )

        E quanto a mim… Sou assim mesmo como você falou! Agora, explicar… Nem Freud, hein! Talvez seja o meu jeito de me aproximar do comportamento vegetal na tentativa de ser feliz… Kkkkkk. Pode ficar tranquila que tudo o que você falou é por conta da minha personalidade mesmo – nada pessoal contra ninguém!

    • Pois é… Mas a minha visão provavelmente foi influenciada por uma outra “amiga” chamada TPM… : ) Tem dia que é difícil, mas se não mantívessemos a amizade apesar de tudo, não seria amizade. Pode deixar que vou me manter firme tentando!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s